De-me sua mão

Você vagueia pela noite fria e solitária
Em busca do infinito,
Guiado pela ganância que cresce em você
que irá destruir sua alma pedaço por pedaço.

Ela diminui sua razão e sua mente,
Você vê o mundo somente em tons escuros,
Pra você, a caça começou aqui e agora
O sangue do destino grudam em suas mãos.

Me dê a mão, o nosso mundo irá queimar
A dor e o medo vão perecer no fogo
Nosso orgulho e nosso sangue ficarão unidos por toda a eternidade.

Você sente a força, sente a nova liberdade
Nascida de um passado
A memória da sua antiga vida,
Empalidece na sombra de um novo tempo.




Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Medo

nao sinta

Mais um ano